Matosinhos – Roteiro completo para vistar a cidade

Matosinhos é um município do distrito de Porto, situado junto à costa atlântica. Outrora terra de pescadores, desenvolveu-se em torno da indústria conserveira e assistiu a um crescente desenvolvimento com a construção do Porto de Leixões, o maior porto artificial do país. Hoje em dia, Matosinhos apresenta-se como uma cidade contemporânea e renovada, que respira arquitetura e tão bem soube preservar as suas origens, desde sempre ligadas ao mar.

A convite da Câmara Municipal de Matosinhos, fui explorar a cidade e neste artigo apresento-te um roteiro completo para visitar o município e experimentar o que este tem de melhor, bem como uma panóplia dos restaurantes e hotéis mais icónicos.

Uma visita a Matosinhos requer no mínimo dois dias, para ter uma visão completa da cidade e das freguesias circundantes. Três dias é o suficiente para desfrutar da cidade com calma e explorar o que esta tem de melhor.

O que visitar em Matosinhos

Mercado de Matosinhos

mercado de matosinhos

O Mercado de Matosinhos é talvez dos sítios que melhor reflete a alma da cidade. É para aqui que vai o peixe, que todas as manhãs é vendido na lota, entre peixeiros e pescadores. O mercado, classificado como Monumento de Interesse Público, foi inaugurado em 27 de maio de 1952. No seu interior, existem dois pisos – um piso superior, onde se vendem frutas, vegetais e animais vivos; e o piso inferior, onde está o peixe e alguns restaurantes. Prepara-te para enfrentar a confusão típica dos mercados – por entre a algazarra dos visitantes e turistas, conta ainda com a boa disposição das vendedoras e peixeiras, que todos cumprimentam em tom alto e bom som. É assim que Matosinhos nos recebe.

O mercado está aberto até às 16 horas, mas o melhor é visitá-lo durante a parte da manhã, enquanto ainda há o que vender. Aos domingos encontra-se encerrado.

Dica: Visita o Mercado de Matosinhos perto da hora de almoço e aproveitar para almoçar num dos restaurantes do mercado. É uma forma de sentir a alma de Matosinhos, enquanto degustas um dos pratos típicos. Durante a minha estadia, fui almoçar ao Sushi no Mercado, e recomendo!

MuMMa – Museu da Memória de Matosinhos

MuMMa-Museu-da-Memória-de-Matosinhos-Porto
MuMMa-Museu-da-Memória-de-Matosinhos

O Museu da Memória de Matosinhos está integrado no Palacete Visconde de Trevões, um dos edifícios mais bonitos da cidade. No seu interior, podem conhecer um pouco daquilo que foi a origem e história da cidade de Matosinhos, desde os tanques romanos encontrados no Fontão, até às obras contemporâneas projetadas por Siza Vieira. É um importante marco da cidade e permite-nos compreender a importância que o mar e o peixe tiveram para o desenvolvimento desta população.

Uma das partes mais interessantes do museu é uma experiência virtual, com uns óculos 360 graus, a partir do qual somos convidados a mergulhar sobre a história de Matosinhos. Achei o museu bastante dinâmico e interativo. Numa outra ala, existe a possibilidade de os visitantes gravarem um testemunho que ficará integrado no Museu da Memória. Afinal, a História é feita pelas pessoas.

O MuMMA fica na Av. Dom Afonso Henriques 68, 4450-015 Matosinhos. Pode ser visitado de terça a domingo, das 10h às 18h. O museu encerra às segundas-feiras. A entrada tem o custo de um euro.

Dica: De segunda a sexta-feira, às 11h e às 16h é possível fazer uma visita guiada, mediante marcação prévia. Recomendo fazer uma visita na companhia da Conceição, uma conterrânea de Matosinhos e arqueóloga de profissão. É uma senhora muito bem disposta e com uma paixão contagiante por aquilo que faz.

Titan:

Titan-guindaste-porto-de-leixões
Titan-guindaste-porto-de-leixões

O Titan é o maior guindaste a vapor do mundo e fica em Matosinhos. É uma construção colossal e grandiosa, que representa aquela que ficou conhecida como a época da arquitetura e da engenharia do ferro e vapor. Tem 17 metros de altura e 69 de comprimento.

Foi utilizado para a construção do Porto de Leixões, a maior obra de engenharia realizada em Portugal durante o século XIX. Durante 10 anos, entre 1885 e 1895, este guindaste transportou blocos com 50 toneladas, que permitiram construir os dois molhos que hoje constituem o atual Porto de Leixões – um deles com 1,20 km de comprimento e o outro com 1,50 km.

O Titan foi reconstruído e desde 2021 que está aberto ao público e pode ser visitado.

As visitas podem ser feitas à sexta-feira, sábado e domingo. Visitas guiadas podem ser feitas mediante um custo de 5,00€ e em grupos com um máximo de 15 pessoas.

Curiosidade: O nome “Titan” tem etimologia grega e significa “rei”. Esta designação remete para a grandiosidade da construção, bem como para importância que o guindaste teve para o desenvolvimento económico de Matosinhos.

Terminal de cruzeiros do Porto de Leixões:

Terminal-de-cruzeiros-do-porto-de-leixões
Terminal-de-cruzeiros-do-porto-de-leixões

O Terminal de Cruzeiros do Porto de Leixões é um dos edifícios mais emblemáticos da cidade, que nos relembra que Matosinhos é também a cidade da Arte e Arquitetura. A obra, projetada pelo arquiteto Carrilho da Graça, tem como missão integrar a vertente comercial de cruzeiros, com a dinâmica urbana da cidade. Tal foi conseguido com a construção de um edifício ímpar, que alberga ainda um Centro de Investigação ligado às ciências do mar (CIIMAR).

O Terminal de Cruzeiros está aberto entre as 9h30 e as 12h durante a manhã e das 14h30 até às 17h durante a tarde. O bilhete de acesso tem um preço de 5,00€, com tarifas reduzidas em certas condições. Em determinados horários, que podem consultar aqui, podem fazer visitas guiadas.

Fábrica de Conservas Pinhais:

 Fábrica-de-conservas-pinhais
 Fábrica-de-conservas-pinhais

A Fábrica de Conservas Pinhais é um dos marcos da cidade de Matosinhos e representa melhor do que ninguém aquilo que foi o passado de uma povoação ligada ao mar. Esta fábrica, fundada em 1920, dedicou-se desde sempre à arte de conservar a sardinha. O seu segredo está na pouca automatização do processo, privilegiando a mão humana das mulheres que, desde sempre, trabalharam nas fábricas conserveiras, enquanto os homens enfrentavam o mar.

É nesta particularidade que a marca se destaca, pela fidelidade ao método tradicional. Aqui são produzidas cerca de 28 000 latas de sardinha por dia, um número espantoso para uma empresa segmentada no trabalho manual.

Recentemente, o espaço foi alvo de remodelações e construiu-se um museu, a partir do qual os visitantes podem perceber o modo de confecção e conservação da sardinha. Todas as visitas são guiadas e têm um percurso muito bem delineado. Achei a experiência muito interativa e dinâmica. Foi das coisas que mais gostei de fazer durante a minha passagem por Matosinhos.

Cada visita tem a duração de 90 minutos e inclui uma visita guiada à fábrica, bem como a possibilidade de embrulharmos a nossa lata de sardinha e ainda uma prova de degustação final. As visitas podem ser agendadas aqui, em várias línguas. O bilhete geral custa 14,00€ com tarifas reduzidas para condições especiais.

Curiosidade: Sabias que as latas de sardinha ficam pelo menos 3 meses a repousar, antes de seguir para os mercados de venda? Pois é, afinal não é só o vinho do Porto que fica a envelhecer!

Casa da Arquitetura

casa-da-arquitetura
casa-da-arquitetura

No primeiro dia em que cheguei a Matosinhos, disseram-me que esta era a melhor cidade do país para se ver e absorver arquitetura. Na altura, não compreendi, mas com o desenrolar da viagem, percebi que grande parte dos marcos de Matosinhos assentam em fabulosas obras de arquitetura. É o caso do Terminal de Cruzeiros, mas também da Piscina das Marés ou ainda da Casa de Chá. Afinal, estava na terra de Siza Vieira, um dos arquitetos mais conceituados do país.

Foi desta ebulição de obras criativas que nasceu a Casa da Arquitetura, um espaço que visa valorizar e divulgar o trabalho realizado por vários arquitetos do país, bem como fomentar atividades culturais e sociais, destinadas ao público em geral.

Durante a visita guiada que fiz, pude perceber a origem do edifício principal, que outrora se dedicava à produção vinícola, bem como ver duas exposições que estavam a acontecer naquele momento. Uma delas, a exposição Flash Back do Arquiteto Carrilho da Graça, é muito recente e vai estar disponível para visitas durante o próximo ano.

A Casa da Arquitetura pode ser visitada entre as 10h e a 19h de terça a sexta-feira e até às 20h nos restantes dias. O bilhete de entrada para a Exposição Principal custa 8,00€ e para a Galeria da Casa custa 4,00€. Aos domingos de manhã, a entrada é gratuita.

Farol de Leça

farol-de-leça
farol-de-leça

O Farol de Leça, também conhecido como Farol da Boa Nova, fica em Leça da Palmeira e tem 46 metros de altura. Todos nós temos um imaginário sobre como deverá ser a vida de um faroleiro, a noite toda de vigia, aguardando a chegada dos barcos. Mas, na realidade, não é bem assim. E é precisamente isso que pudemos perceber numa vista ao Farol de Leça. Depois de uma breve explicação sobre o funcionamento do farol, fomos convidados a subir pelos 213 degraus que nos levam ao cimo da torre. Desde o topo, podemos ter uma vista incrível sobre o mar e a cidade de Matosinhos. No nível superior podemos ainda ver a estrutura luminosa que sustenta o farol, com uma ótica de cristal e 6 lentes rotativas. A luz emitida pelo farol tem um alcance de 28 milhas náuticas (o equivalente a 52 km).

O Farol de Leça pode ser visitado às quartas-feiras, da parte da tarde, a partir das 14 horas.

Curiosidade: Sabias que cada farol tem o seu próprio código de luzes e que existe um manual com o código de todos os faróis do mundo? Só assim os marinheiros conseguem identificar o farol.

Piscinas das Marés

Piscina-das-marés-Siza-vieira
Piscina-das-marés-Siza-vieira

A Piscina das Marés, localizada em Leça da Palmeira, são um ex libris da cidade de Matosinhos. A obra foi projetada pelo arquiteto Siza Vieira, e é constituída por um conjunto de piscinas de água salgada, alimentada diretamente do mar. A posição estratégica das piscinas, em plena estância balnear, permite aos visitantes desfrutar tanto das piscinas como da praia. O complexo, classificado como Monumento Nacional em 2006, inclui duas piscinas, um conjunto de vestiários e ainda um café.

Durante a época balnear, as piscinas estão abertas ao público entre as 9h e as 19h. A entrada tem o valor de 7,00€ de segunda a sexta-feira e 9,00€ durante os fins de semana. As crianças têm acesso a uma tarifa reduzida. Durante o resto do ano, é possível fazer uma visita guiada de interesse arquitetónico, mediante marcação, a partir da Casa da Arquitetura.

Curiosidade: Esta obra está presente no livro “Cem edifícios do século XX”, uma publicação de referência da arquitetura mundial do século XX, que reúne vários vencedores do Prémio Pritzker, entre eles Siza Vieira.

Caminho de Santiago – Caminho da Costa

caminho-de-santiago-da-costa
caminho-de-santiago-da-costa

O Caminho de Santiago, pela variante do Caminho da Costa, é outra atividade da que podemos desfrutar na cidade de Matosinhos. Nos últimos anos, o Caminho da Costa, que liga Vila do Conde a Tui pela margem costeira, tem ganho cada vez mais adeptos. A proximidade da praia e a facilidade do percurso são um atrativo para os peregrinos. Durante a minha passagem por Matosinhos, tive a oportunidade de fazer uma caminhada nos passadiços que ligam a praia da Agudela à localidade Angeiras e foi uma experiência muito agradável!

Dica: Sugiro-te fazer o percurso durante o fim de semana, da parte da manhã. O ideal é terminar a caminhada na pequena localidade de Angeiras para desfrutar de um bom prato de peixe, tão característico desta região. Convém marcar o restaurante com antecedência, pois costumam encher facilmente durante os fins de semana.

Angeiras

angeiras
angeiras

Angeiras é uma pequena vila piscatória situada no norte da cidade de Matosinhos, junto à fronteira com Vila do Conde. O areal da praia divide-se entre os banhistas e os barcos de pescadores, ansiosos por se fazer ao mar. As redes de pesca, junto às pequenas embarcações, não deixam dúvidas quanto à importância da pesca para esta população. É uma típica vila de pescadores e, como tal, uma terra de histórias. Tive o prazer de conhecer alguns destes homens, guerreiros sem nome, e de ouvir os seus relatos sobre uma vida que nem sempre foi fácil, mas da qual se orgulham. São autêntico contadores de histórias, estes cicerones de Angeiras. É neles que reside uma grande parte daquilo que é a alma e a cultura de Matosinhos.

Também aqui existe um conjunto de 12 tanques da época romana (séculos III e IV d.C), escavados em plena rocha. Eram utilizado para salgar o peixe e para confecionar o garum, uma especialidade deste tempo.

Os restaurantes de Angeiras, por sua vez, são um marco que não deves deixar escapar durante uma visita a Matosinhos. A oferta é muita, mas os restaurantes enchem rapidamente, pelo que convém marcar com antecedência.

Igreja Paroquial do Senhor Bom Jesus de Matosinhos

Igreja Paroquial do Senhor Bom Jesus de Matosinhos
Igreja Paroquial do Senhor Bom Jesus de Matosinhos

Uma viagem a Matosinhos não se pode dar por concluída sem uma visita à Igreja Matriz, ou Igreja Paroquial do Senhor Bom Jesus de Matosinhos. É aqui que acontecem as famosas romarias em honra do Senhor de Matosinhos, que tem lugar no dia 25 de maio, feriado municipal da cidade. A igreja foi classificada, em 1982, como um Imóvel de Interesse Público.

Outrora um templo, este foi totalmente renovado no século XVIII, com recurso a oferendas por parte dos emigrantes que viviam no Brasil e por todos aqueles ligados ao mar, que procuravam agradecer ao Senhor de Matosinhos, pela proteção dada durante as intempéries.

Curiosidade: No interior da igreja é possível ver a imagem do Senhor de Matosinhos. Diz-se que este tem um olho voltado para a terra e outro virado para o céu.

Mosteiro de Leça do Balio

mosteiro-de-leça-do-balio
mosteiro-de-leça-do-balio

O Mosteiro de Leça do Balio é outra das atrações da cidade de Matosinhos. Este situa-se na freguesia da Leça do Balio, junto à foz do rio Leça, perto da antiga estrada romana que ligava a cidade de Braga ao Porto.

Este importante mosteiro albergou a ordem religiosa dos Cavaleiros Hospitalários, que tinha como missão proteger e assistir os peregrinos. A basílica foi doada à Ordem por D. Teresa, no século XII. Atualmente, o mosteiro alberga a Igreja de Santa Maria de Leça do Balio. É um bonito local de passagem, que tão bem representa o valor patrimonial de Matosinhos.

Curiosidade: Foi neste mosteiro que se celebrou o casamento entre o rei Fernando I e Leonor Teles, em 1372.

Arte Urbana na Lionesa

arte-urbana-da-lionesa
arte-urbana-da-lionesa

Uma visita ao Mosteiro de Leça do Balio não pode ficar concluída sem uma passagem pelo Mural da Lionesa, situada a poucos quilómetros da basílica. Aqui poderás encontrar uma demonstração de arte urbana, conseguida pelo trabalho de 10 artistas, oito deles portugueses, um brasileiro e um angolano. Cada um dos criadores tentou projetar, com recurso ao graffiti, aquilo que para si representa a alma e o valor de Matosinhos. É o maior projeto de street-art do norte do país.

Aula de Surf

Aula de surf onda pura matosinhos
Aula de surf onda pura matosinhos

Se és um amante de surf, não percas a oportunidade de agarrar na prancha durante a tua estadia por Matosinhos. Junto à praia há várias escolas de surf, onde poderás fazer uma aula ou ainda alugar uma prancha, se já tiveres prática. Enquanto lá estive, assisti a uma aula dada pela Onda Pura.

Para quem tiver mais tempo

Se tiveres tempo e disponibilidade, sugiro-te fazer uma paragem na famosa Casa de Chá da Boa Nova, mais uma obra icónica do arquiteto Siza Vieira, bem como uma visita à Casa da Cerveja da Super Bock, em Leça do Balio. Infelizmente, não tive oportunidade de visitar estes locais.

Onde comer em Matosinhos

Fodinha-de-bacalhau-do-restaurante-lobo-do-mar
Fodinha de Bacalhau, do Restaurante Lobo do Mar, em Angeiras
Sushi, do Restaurante Sushi no Mercado
Sushi, do Restaurante Sushi no Mercado
Rodovalho, do restaurante A Margarida
Rodovalho, do Restaurante A Margarida
Parrilhada de peixe, do Restaurante Lobo do Mar
Parrilhada de peixe, do Restaurante Lobo do Mar

Durante a minha visita a Matosinhos, tive a oportunidade de experimentar alguns dos melhores restaurantes da cidade. Como tal, recomendo o restaurante Lage Senhor do Padrão, junto ao Terminal de Cruzeiros, onde poderás degustar um prato de chocos divinal.

O restaurante “A Margarida”, em Leça da Palmeira, presenteou-nos com uma açorda de gambas e um rodovalho sem igual. Foi dos melhores restaurantes de peixe onde já estive.

Já o “Lobo do Mar”, em Angeiras, é uma excelente opção para um almoço de domingo. Aqui recomendo a parrilhada de peixe, uma mistura de vários peixes e mariscos da região, bem como a fodinha de bacalhau, um prato recheado com bacalhau e gambas, inspirado na foda de cabrito de Monção.

O “Sushi no Mercado”, no Mercado de Matosinhos, é uma excelente opção para os amante de sushi.

Se procuras uma refeição mais leve, ou um local para desfrutar do pôr do sol junto à praia, recomendo a Esplanada do Titan, o bar Xiringuito ou ainda o L’Kodak.

Onde dormir em Matosinhos

Hotel Sea Porto Matosinhos
Hotel Sea Porto

Durante a minha estadia pernoitei no Hotel Sea Porto Matosinhos. Gostei bastante do espaço e da simpatia dos funcionários. Os quartos, decorados com imagens alusivas ao património de Matosinhos, são bastante amplos e confortáveis. O pequeno-almoço estava bastante completo e diversificado. Recomendo-te também outros hotéis, como o Eurostars Matosinhos, a Casa Rietsch, o Harbour Inn Design Townhouse ou ainda o Four Points.

E pronto, aqui está o meu roteiro pela cidade de Matosinhos. Se ficaste com alguma dúvida, podes deixar nos comentários ou enviar-me mensagem privada!

Este artigo provêm de uma parceria com a Câmara Municipal de Matosinhos.

Outros artigos que te possam interessar:

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Scroll to Top